SEM DOMÍNIO traz para você aquilo que realmente interessa na comunicação: INFORMAÇÃO SEM MANIPULAÇÃO.

O SEM DOMÍNIO oferece para você a informação sem manipulação. Livre de patrocínios governamentais ou do marketing de interesse, construímos um ambiente multiplataforma de comunicação e diálogo aberto e livre.

Blog dos nossos Colunistas

Aqui você encontra as publicações de nossos grupo de colunistas. Acesse nosso blog e fique por dentro da informação sem manipulação.

Cortes, resenhas e lacrações

No Youtube, mantemos um canal com os melhores momentos de nossas entrevistas. São cortes trazendo o melhor conteúdo, resenhas com as melhores explicações e, as melhores lacrações!

Transmissões ao vivo

Aqui você acessa nosso canal no Twitch.tv e pode assistir ao vivo ou rever nossas entrevistas feitas ao vivo. Sempre às 18:30hs do Brasil, trazemos entrevistas interessantes, com gente real, com informação fiel!

As entrevistas e reportagens (em construção)

Nesse canal do youtube, trazemos as entrevistas que não podem ser realizadas ao vivo por conta do fuso horário ou de outras dificuldades. Também compartilhamos aqui, reportagens feitas por nossos parceiros e equipe.

Everson Buchi

Autor e diretor

Sobre o Autor

Olá a todos. Antigamente a todos incluía todos e todas. Modernamente tem que separar. Então, olá, olá e olá, além de olá e também olá. Acho que já inclui todo mundo. Um mundo fascinante, mutante, que tenho acompanhado. Também já deu para perceber que sou antigo.

E provo – já passei pelas endemias e epidemias de malária, leishmaniose, febre amarela, doença de Chagas, esquistossomose, meningite, poliomielite, tuberculose, sarampo, tosse comprida, gonorreia, sífilis, Aids, lepra, salada de chuchu, febre purpúrica, conjuntivite, chinelas de corda da mamãe (HAVAIANAS SÃO DA MODERNIDADE), epidemia de conjuntivite, berinjela a milanesa, fogão a lenha, dengue, hantavírus (tipo Muerto Canyon), banho de tacho, HIN!, covid-19.

Sou piá de rua e médico-psiquiatra, brasileiro de Curitiba, não jogo lixo no chão, e obedeço às filas. Gosto daquela moça curitibana que faz stand-up e nos caracteriza, mas acho que, vez por outra, exagera. As moças de Curitiba não são daquela metade do condomínio., como dizem os entendedores.

Moro no Brasil, pais em que o dito não é dito, ao contrário. Tudo tem duplo sentido. Somos um povo em sintonia com o Universo, visto que o Poder Superior, ou Deus – fica ao seu gosto, ao cria-lo, usou a dualidade. Alto e baixo, claro e escuro, denso e sutil. Somos duais, sincrônicos com o Divino.

A Gladys sempre quis que eu escrevesse. Meu filho Raul escreve textos sábios e inteligentes. Ele me cobra que eu escreva. Meu irmão é um escritor e orador de mão cheia. Vou tentar também. São 72 anos de vida e trabalho árduo. Agora estou, há poucos dias, na janela, sabático, em Caiobá. Não estou ocioso, trabalho no CAPS, tento ser útil, sigo bons exemplos, apesar dos ossos corroídos pelo tempo.

 

O dia a dia visto pelos olhos de um psiquiatra curitibano. De vez em quando psiquiatria, um pouco sobre quem nos comanda, cotidiano.  Humor? Sim, de graça – por exemplo Hantavírus Muerto Canyon – esse troço me faz rir. Sim, é científico, sério e até mata. Mas lá isso é nome de assassino?