SEM DOMÍNIO traz para você aquilo que realmente interessa na comunicação: INFORMAÇÃO SEM MANIPULAÇÃO.

O SEM DOMÍNIO oferece para você a informação sem manipulação. Livre de patrocínios governamentais ou do marketing de interesse, construímos um ambiente multiplataforma de comunicação e diálogo aberto e livre.

Blog dos nossos Colunistas

Aqui você encontra as publicações de nossos grupo de colunistas. Acesse nosso blog e fique por dentro da informação sem manipulação.

Cortes, resenhas e lacrações

No Youtube, mantemos um canal com os melhores momentos de nossas entrevistas. São cortes trazendo o melhor conteúdo, resenhas com as melhores explicações e, as melhores lacrações!

Transmissões ao vivo

Aqui você acessa nosso canal no Twitch.tv e pode assistir ao vivo ou rever nossas entrevistas feitas ao vivo. Sempre às 18:30hs do Brasil, trazemos entrevistas interessantes, com gente real, com informação fiel!

As entrevistas e reportagens (em construção)

Nesse canal do youtube, trazemos as entrevistas que não podem ser realizadas ao vivo por conta do fuso horário ou de outras dificuldades. Também compartilhamos aqui, reportagens feitas por nossos parceiros e equipe.

Blog do Eve

  • Não permita Deus…

    Não permita Deus…

    https://youtu.be/lmqoUPuNBNM

    Não permita Deus – assim começa a canção do Expedicionário.  Nasci em 1948, ainda sob o eco da Grande Guerra…!

    Claro que essa canção é tonitruante em minha alma verde amarela. Retumbante o Hino Nacional, que cantei junto aos meus antes de entrarmos para assistir aulas até já quando na Universidade.

    Deus, como cada um concebe, o Deus que eu concebo, um Poder Superior gerador de um Universo infinito, do qual fazemos parte e que Dele somos moldadores também, me permitiu caminhar até as portas das ciências da psiquiatria. E nela encontrei os tratados de psicopatologia, os quais ensinam ao médico especialista que, entre tantos estudos, mantenha olhos e ouvidos abertos para as manifestações da arte.

    Agora que estou velho, ainda soldado raso, linha de frente, honrando meu juramento, na cadeira dura e desconfortável do SUS, onde ali findarei meu caminhar de receitador de pílulas, fui brindado pela arte de Nelson. Ah, como foi importante ouvir os Mestres. Não fossem por eles estaria minha atenção imersa apenas nas borbulhantes e ainda muito misteriosas reações bioquímicas cerebrais, neurotransmissor para cá, neurotransmissor para lá. Dois para cá, dois para lá, á valsar…

    Preste atenção na arte, ensinaram-me!

    Obrigado, artista Nelson – que emocionante sua declamação. Me trouxe a lembrança da filmagem dos pracinhas cantando o Hino Nacional na Catedral de Pisa, eles com eles mesmo, apenas para eles mesmo, as bombas nazistas caindo e eles na FÉ!

    Obrigado amigo Celso, que ainda deve uma entrevista para o Raul.

    Obrigado por reverberarem setenta e três anos de verdeamarelismo dentro de mim. Um só Brasil, um só povo, uma só Humanidade no planeta. Imagine – Beatlles! Imagine – semdominio!

    Everson Alberge Buchi

  • Meu aniversário ou o Brasil tem jeito

    Meu aniversário ou o Brasil tem jeito

    Dias atrás foi meu aniversário. Embalado pelo carinho e pela amorosidade dos amigos decidi que descreveria as emoções sentidas naquele dia. Quanta prepotência e quanta irrelevância em mim, rsss – cumprida a promessa de falar sobre o aniversário, vamos ao que interessa.

    Escrevi sobre a necessidade de revisitarmos uma função abandonada. A função da disciplina no caminho das conquistas psico-espirituais. Imaginava como encerrar o capítulo, quando recebi de um amigo o texto abaixo, de indescritível beleza, amor, disciplina e patriotismo.

    Não importa a Pátria, Esparta, Roma ou Prússia. Conta a História de quem percebe que existe um valor maior pairando sobre nós, essencial a nossa sobrevivência como espécie e como Nação. Fiquei apaixonado pela História, que se passa no mês de março de 2021. Por esses dias, por nossos dias, heroísmo de agora, não de Esparta, não de Roma, nem de USA.

    Um brasileiro ensinando a grandeza da Pátria e como a liberdade pode abrir suas asas sobre nós.

    Copiei e publico, para engrandecer o semdominio.com. Original do genial jornalista Jorge Serrão.

    Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

    Por Jorge Serrão – serrao@alertatotal.net

    Siga-nos no Twitter e Parler – @alertatotal

    Qual é o Éthos da Nação Brasileira? (Ou qual o nosso “DNA” Psicossocial?). Eis a pergunta que precisa ser respondida, após profunda reflexão, baseada em conceitos e observações corretas da nossa realidade. Éthos é definido como o conjunto dos costumes e hábitos fundamentais, no âmbito do comportamento (instituições, afazeres etc.) e da cultura (valores, ideias ou crenças), característicos de uma determinada coletividade, época ou região.

    Alguns livre pensadores já tentaram pensar sobre o conjunto de traços e modos de comportamento que conformam o caráter ou a identidade da coletividade brasileira. No livro “Os Bruzundangas”, o “maldito” Lima Barreto psicografou os traços perversos da nossa “zelite” intelectual. Mário de Andrade também descreveu nosso “herói sem caráter”, o “Macunaíma”. Nelson Rodrigues denunciou o povo com “complexo de vira-lata”.

    Não encherei os 12 leitores e meio deste Alerta Total com teorias. Vamos descrever um caso real e prático em meio ao pandemônio covidiano. Não é ficção, nem fábula. Aconteceu nesta semana, no Estado do Paraná. Trata-se de um drama familiar. Porém, reflete e chama atenção para o problema que temos de resolver: o caráter do brasileiro (ou melhor: a falta de qualidade dele). Não citaremos nomes. Interessam os fatos e o fenômeno.

    Assistimos nos dias de hoje, século 21, milhares de denúncias de desvios da vacina do COVID 19. Pessoas sendo vacinadas porque são parentes de autoridades que as nomearam só para receberem as vacinas. Autoridades vacinando suas famílias na cara dura, enquanto os brasileiros normais são tratados como pessoas inferiores e que devem esperar como cordeiros, a bondade dos senhores feudais brasileiros, para poderem se vacinar.

    Nossa história se inicia na década de 20, do século passado. Uma família humilde, de trabalhadores da Tchecoslováquia migra para o Brasil, em busca de um futuro melhor. Em busca de uma nova Pátria. Eles viajam nos porões de um navio mercante, sem direito a sol e mal alimentados. Pai, mãe e um bebê, uma menina.

    Chegando ao Porto de Santos, logo são aliciados para trabalhar nas fazendas de café do interior de SP. Com o passar dos anos, percebem que a comida que lhes dão custa mais caro do que a remuneração de seus trabalhos. A cada mês que trabalham ficam devendo mais e mais aos donos dos cafezais. Uma escravização disfarçada.

    Vida sofrida. Mais duas meninas nascem na fazenda. Todos os trabalhadores dormem ao relento no meio dos cafezais e só são levados às suas casas no final de semana. A família de imigrantes tchecos leva as crianças para o meio do cafezal com eles, por falta de opção.

    Então, uma das crianças morre durante a noite fria de inverno. Havia contraído uma gripe e nenhum medicamento estava disponível. Compreendendo o final terrível que os aguardava como escravos informais em meio aos pés de café, decidiram tentar sobreviver em outra região.

    A família se muda e consegue trabalho rapidamente. Já na segurança de uma casa, a família cresce e as duas filhas ganham a companhia de mais duas meninas e três meninos. Todos trabalham, desde cedo. Ordenham os animais, cuidam das plantações e aprendem a falar e escrever o português brasileiro.

    Os pais os ensinam a “Amar o Brasil”. O País que os acolhera e que era a nova Pátria deles. Deram aos filhos uma educação rígida, focada em valores familiares e no trabalho duro. Respeito, disciplina, honestidade e dignidade. Foram formadas pessoas de caráter. Resilientes e prontas para trabalhar e empreender.

    Os poucos recursos não permitiam sonhar com cursos universitários. As condições financeiras melhoram, mas os filhos já não estavam mais em idade de estudar. Apenas o filho caçula poderia fazer faculdade se todos se unissem para ajudar. Por sorte e união da família, ele fez engenharia elétrica e matemática no RJ.

    Este jovem engenheiro nascido no Brasil e filho de humildes imigrantes tchecos, de volta à sua cidade natal, nos anos 60, presta serviços para empresas locais e logo monta seu próprio negócio. Ele decide trabalhar com refrigeração em geral e aos poucos vai se especializando em refrigeração na área de saúde – freezers, refrigeradores e equipamentos para conservação de medicamentos. Monta uma pequena fábrica. Já nos anos 70 e 80 começa a exportar para países do Oriente Médio, clientes naturais por causa do clima local.

    O jovem engenheiro se casa e tem 2 filhos e uma filha e todos trabalham na empresa. Atualmente esta empresa é grande fornecedora de toda uma gama de equipamentos de refrigeração, fixa e móvel, desenvolvidos por ela, para as Vacinas da COVID 19. Ou seja, um empreendimento de importância social, sobretudo em tempos pandemônicos.

    Ironicamente, pela idade, nenhum dos filhos ainda foi vacinado. Apenas o fundador da empresa e sua esposa o foram. Estão na casa dos 80. Mesmo armazenando milhões de doses das vacinas adquiridas, o filho de imigrantes humildes que chegaram ao Brasil há quase 100 anos, ao contrário de muitos espertalhões, não se aproveitou da situação para imunizar sua família, seus filhos, noras e netos.

    Não foi por falta de “convite”. Nestes meses de 2021, a todo momento, alguma prefeitura ou algum hospital em busca de equipamentos insinuava e até mesmo oferecia abertamente uma “porta dos fundos” para vacinar toda a família dele. Afinal eram em seus equipamentos que eram mantidas as vacinas.

    Pois esse brasileiro filho de imigrantes tchecos NUNCA aceitou e nem permitiu que nenhum de seus filhos se aproveitassem desta situação. A vacinação da família seria conforme a programação coletiva. Ponto final. Sem discussão contrária… O caráter do idoso empresário não permitia o “jeitinho”.

    Ele sempre dizia que seria uma falta de caráter muito grande se aproveitar para se vacinar antes das demais pessoas. Sua frase preferida era que não existe “MEIO CERTO” ou “MEIO ERRADO”.

    Acontece que o destino prega peças às pessoas de bem. Nesta semana, infelizmente, seu filho primogênito e presidente da empresa faleceu vítima do CORONAVIRUS – COVID 19. Aos 59 anos de idade. Deixou uma filha temporã de cinco anos de idade.

    Arrasado, este pai se despediu de seu filho e aos prantos clamava para que ele compreendesse suas razões. Após o sepultamento, abraçando seus filhos e netos, pediu perdão e se justificou, explicando que o nosso Brasil só vai melhorar quando todos entenderem que as obrigações coletivas estão sempre acima do bem-estar pessoal.

    O trabalho, engenho e arte desse filho de imigrantes humildes hoje salva milhares e milhares de vidas todos os dias com seus equipamentos e invenções. Ele viveu o drama de “entregar” a Deus a vida do seu filho primogênito para construir uma Nação de pessoas honestas, honradas e de bom caráter.

    Ele tem a esperança que sua família, seus netos e bisnetos vivam em um Brasil melhor. E você? Tem a mesma esperança?

    Precisamos debater e – certamente rever – o DNA ou Éthos do brasileiro. Do contrário, somos candidatos a mergulhar na barbárie de uma guerra civil que pode gerar separatismo (secessão).

  • Vacina e disciplina

    Vinde a nós o Vosso reino – assim na Terra como no Céu – muito dinheiro no bolso, saúde para dar e vender.

    Frases tão acalentadoras, frases de bom augúrio e o mês de março com 23 dias úteis. A turma do lockdown vai ter trabalho para conter os que vivem da dualidade essencial-não essencial, como se existissem atividades não essenciais. Não essencial para quem, cara-pálida?

    Estávamos examinando a virtude da disciplina como ferramenta para chegarmos ao “Reino dos Céus” ainda enquanto encarnados. Depois fica fácil, um “Deus de Infinita Misericórdia” assumirá a gerencia da bagaça e tudo bem!!!!

    Mas antes disso precisamos achar a doçura de viver bem aqui e agora. Mas o que temos visto na clínica diária é que as pessoas estão cada dia mais sofredoras, menos doces e, na verdade apavoradas, Não é só a ameaça direta de adquirir um vírus que pode nos tirar da carne, Tem mais nessa história toda, A guerra de nervos iniciada politicamente, com os três poderes digladiando entre si para ver quem é o mais poderoso, e não restando dúvida que o fazem por interesses não republicanos. Usam para tal a ingenuidade e a ambição dos eleitos pelo povo para conduzir o Poder Executivo, certamente o mais “bem-armado” dos três. Os eleitos do executivo, pelo voto popular, se indagados, em sua maioria não saberão dizer das virtudes de um estadista. Ipso facto, facilmente manipuláveis e desgovernança implantável.

    Longo parágrafo, palavras preciosas: ambição, ingenuidade, estadista, poder, cizânia na Pátria, pavor, guerra de nervos. Faltou dividir para governar. O mais forte foi enfraquecido e não consegue atuar com UNIDADE.

    Temos três inteligências: a mecânica, a emocional e a espiritual, aquela dos valores. No cenário supra descrito, os valores sociais foram desarvorados e as pessoas entram em estados emocionais de medo, tristeza, desânimo, descrença e falta de Fé. Perdem o rumo.

    Claro que prescrevo medicamentos aos meus pacientes, é fundamental reequilibrar a bioquímica cerebral. Mas estou entendendo que precisamos todos retomar as virtudes básicas como prática da vida diária, Aquilo que cultivamos nos últimos anos como padrão de comportamento social e pessoal não serve para o atual momento.

    Não vamos morrer só pelo vírus. Vamos morrer pelas outras doenças como câncer e hipertensão arterial, cujos tratamentos abandonamos. Vamos morrer por desestruturação do tecido social, vamos morrer por falta de rumo, Precisamos voltar a valores básicos que permitiram a sobrevivência da Humanidade até hoje. E uma virtude básica que precisamos retomar é a disciplina. Foi o trabalho disciplinado que permitiu aos nossos ancestrais atirar pedaços de madeira nos gigantescos mamutes e a arrastá-los para dentro das aldeias durante o período da Era do Gelo.

    Todos eram essências na tarefa! Hoje estamos mais sofisticados materialmente, mas as necessidades de sobrevivência são as mesmas. Antes que o caos se instale precisamos, individualmente disciplinar nossas vidas para pode disciplinar nossas emoções e retomar nossos valores. A disciplina é a obediências às regras, aos superiores hierárquicos (como um Hospital ou uma unidade de Saúde vai funcionar sem isso?). É A CONDUTA QUE ASSEGURA O BEM-ESTAR DOS INDIVÍDUOS. Existem 58 sinônimos para a palavra disciplina na língua portuguesa. A disciplina é necessária a boa ordem e implica, em se fazer aquilo que não se quer fazer. Usei como referência o dicionário on-line da língua portuguesa, que imagino mais acessado atualmente.

    Morte e tragédia acompanham-nos nesta quadra da vida no Planeta Terra. Todo o tempo ouvimos as pessoas clamarem por vacinas e as autoridades maiores da Pátria são acusadas de negligentes face a ausência de vacinas para todos. Essa acusação pode se repetir na maioria dos países. E tem alguma dose de verdade visto que as autoridades sanitárias mundiais não estavam preparadas para a fuzarca covidiana.

    São duzentos e vinte milhões de brasileiros, quatrocentos e vinte milhões de frasquinhos de vacina, quatrocentos e vinte milhões de seringas e mais alguns fardos de algodão para fazer a esterilização da pele do cidadão antes de aplicar o remédio.

    São 14 bilhões de frasquinhos no mundo todo (14 000 000 000). Já imaginou quanto papel você vai precisar para desenhar isso aí tudo de frasquinhos. E já pensou na pilha de frasquinhos? E já planejou em qual lugar você vai guardar os frasquinhos, as ampolas e as seringas descartadas? Cuidado com o que você está pedindo…

    Então, esquerdopata ou direitopata, isentão, jovem ou velho, masculino, feminino ou colorido, paranista, flamenguista ou só chato mesmo perceba que se você não seguir as disciplinas propostas para se defender do vírus vai demorar muito, mas muito mesmo para termos uma vida como tínhamos até recentemente. E ela até que estava boa para a maioria dos humanos e com tendência a melhorar para os demais.

    O emocional adoecido faz você imaginar que xingando o Presidente ou o Governador você está contribuindo. Engodo da mente. Você não vai acertar o pauzinho no Mamute com essa atitude…

    Precisamos entender que o vírus pula de um para o outro, simples assim. Que esse pulo acontece se estivermos a uma distância menor de dois metros um do outro. Que ele passa pelo contato da mão através de objetos como uma caneta, por exemplo. Por isso precisamos matar o vírus em nossas mãos, com o prosaico sabonete e água..

    Se precisamos ficar a uma distância menor de que dois metros obstáculos físicos poderão nos proteger, como máscaras e face Shields. Ir torcer para  Flamengo na entrada do Maraca é divino. Não tão divino quanto ir torcer para o Paraná Clube no Durival de Brito, é claro. Há um inquestionável mérito na fidelidade paranista que só os Homens Santos conseguem apreender.

    Mas não dá para ficar a menos de dois metros de outro flamenguista (estou citando o Flamengo não por ser flamenguista, mas por homenagem ao campão desse ano). Não dá para ir no Largo da Ordem fazer seja lá o que for a menos que mantenha dois metros de distância do outro.

    Só a disciplina irá nos salvar: dois metros de distância, use máscara, a vacina vai demorar, lave as mãos. Você está aqui podendo discutir se maconha é bom, se o Bolsonaro é Mito ou Genocida, se a vizinha é linda, se o bad-boy te dá tesão porque seus avós e bisavós tiveram disciplina e competência para atirar pauzinho pontudo no Mamute.

    Fico imaginando se você terá competência e disciplina para cumprir a tarefa de sua geração, ou se a humanidade irá perecer porque você é um incompetente indisciplinado.

    Quantas palavras para serem entendidas – seja feita a Tua Vontade implica em cada um apreender e vislumbrar o mistério de Ser!

    Everson Buchi

    Laboratório Frale Curitiba – Paraná – Brazil

  • Saúde e saúde mental

    O tema saúde é, parafraseando o Ex-Presidente, amplo, geral e irrestrito. Implica em pensarmos em uma pessoa fluindo em plenas potencialidade e em sincronia com sua própria natureza. O contraponto de perder a saúde é “ estar doente” nos termos de nossa própria percepção.

    O agravo a saúde de momento e da moda é representado pelo Covid-19 e é obrigatório mencioná-lo em um planeta de covidenses como o somos no atual momento. Porém, a importância do tema tem levado que o blog SEM DOMÍNIO tenha trazido renomados cientistas para falar no tema. Ainda assim foi publicado recente estudo sobre a pesquisa de covid no esgoto de cidades e bairros para monitorar o bichinho e perceber que ele vai acontecer só na forma de doença em um determinado espaço geográfico antes de que os sintomas clínicos e as notificações compulsórias alertem as autoridades sanitárias. É extasiante pensar na capacidade humana de prover sua sobrevivência no planeta e não é a toa que continuamos entre as espécies mais capacitadas. Dizem alguns biólogos que só perdemos para as baratas e alguns outros seres nem sempre graciosos. Tantos especialistas sobre o tema nos ensinado no blog me dispensam de falar sobre ele.

    Liberdade de expressão

    E me libertam para falar sobre um dos temas que tem feito a minha cabeça nos tempos mais recentes. Quando digo que minha formação é médico significa que fui colocado em uma forma específica para desenvolver determinadas tarefas de um modo adrede previsto e socialmente esperadas. Sinteticamente o que a sociedade espera de pessoas como eu é que diagnostique e medique, Identifique a doença e me devolve a tal saúde, estatui a sociedade.

    Mas a reslidade se debruça sobre a rima do diagnostique e medique e muda o bem trovado. A saúde não é só um mecanismo automático sincrônico, é um mecanismo que precisa trazer a sensação de bem-estar.

    Estar humanamente bem não é consequência de um conjunto de reações teciduais, da bioquímica sanguínea ou das heróicas batalhas de nossos apaixonantes macrófagos( oh celulinha da gota!, como dizem os irmãos lá do nordeste– quem estuda se encanta), A qualidade do bem estar está , é claro, ligada a esses sistemas, que se falham podem nos deixar morrer. Estar humanamente bem depende de atitudes que tomamos e de como nos comportamos.

    Ações importantes

    Uma das mais importantes ações comportamentais está ligada ao que chamamos disciplina. No nosso mundo tão rapidamente “amodernado” e quero assim chamar essa enormidade de instrumentos, ferramentas , aparelhos e trobiscos de todos os gêneros que facilitam nossa vida, a disciplina foi perdendo seu papel essencial na sobrevivência humana e nos tornamos envolvidos pela lassidão, uma crença mágica de que somos seres nessa etapa da existência do Universo merecedores de que tudo venha a nos.

    Na antiga oração – vinde a nós o vosso Reino, para que Reino venha existem duas tarefas a serem cumpridas. A primeira, magnífica, gigantesca, só alcançável por seres de um desenvolvimento psico-espiritual fruto de muito exercicio, que é a aceitação de Vossa Vontade.

    Uma pequena pausa . Não estou entrando aqui em nada ligado a religião nenhuma, nem a nenhuma reliogisidade. Estou falando de qualidade de vida. Esse é o tema, Estou falando da lassidão que nos faz crer que o Reino pode vir de mão beijada. Não vem… a segunda tarefa é aquela de pedir perdão pelos nossos erros.

    Dívidas

    Ferrou! Somos devedores – mas devedores de que? não vai vir tudo de mão beijada? o antidepressivo não foi inventado para ser a pílula da felicidade? Estabilizador do humor não é para me deixar pianinho-pianinho ?

    Pois é, propaganda é propaganda e a piadinha do senador que morreu e do diabo nos ensina tudo. O diabo estava em fase de eleição e prometeu para o senador o paraíso, o mesmo que os po[iticos nos prometem. Depois de eleitos votam cada barbaridade que só se compreende entendendo os pecadores da Oração Para quem não lembra o diabo prometeu o paraíso ao senador e, depos de eleito, entregou o que recebemos da maioria de nossos eleitos. Aquele espaço supra citado de procurar covid.

    Medicações

    Marketing é marketing e medicamento é medicamento. Não podemos permitir que o marketing desacredite os benefícios fantásticos da medicação psiquiátrica moderna em nos ajudar a nos aproximarmos de bem estar. Mas eles não nos levam lá. Vejo esses dois fenõmenos o tempo todo. Como o medicamento é uma benção para os humanos, mas também como precisamos de algo mais para vivenciarmos bem estar e subsequentemente podermos dizer “ sou um humano saudável “.
    Você está imerso na lassidão? Vpcê conhece o conceito de disciplina? Como anda seu bem estar? Qual nota você dá para sua vida? O que podemos mudar, ajustar, aperfeiçao para nos aproximarmos do “ Vosso Reino”. Ou só conhecerás as bençãos de Existir após vosso passamento ?

    Everson Alberge Buchi

  • Covidensos e Covidanas

    Na República do “quem diria” neologismos são necessários. Na língua inglesa dois termos foram gestados, muito interessantes. Um é o covidiot, facilmente compreensível. O termo teria nascido em um supermercado nos EEUU, no qual uma senhora teria entrado com um buraco na máscara para respirar melhor.

    O termo, tal como o vírus se espalhou rapidamente, a ponto de que os ingleses, com seu humor mui refinado acabaram até escalando uma seleção mundial de jogadores de futebol de primeiro nível que não adotaram cautelas preventivas em relação ao agressorsinho coroado. Um time de covidiots., disseram os ingleses, que se mostraram refratários a coroas estranhas à da rainha.

    Aliás, a Rainha pediu licença por tempo indeterminado. Adoro o puro humor inglês…

    Outro termo interessante é coronials, que se refere às crianças que nasceram depois dos tempos de quarentena.

    Novas palavras, novos fatos. Velhas palavras, novas interpretações. Tanto interpretaram que a pouco o noticiário da TV disse que quem disse o que disse parece que disse que queria demitir o General Heleno, e não aquele que saiu.

    Já falei que o Sr. Presidente conduziu mal a questão do Ex-Ministro no primeiro momento. Disse que ali havia nascido uma encrenca que daria pano para manga. Que isso iria render e que o Presidente ficaria com dificuldades para gerenciar a Nação, que é sua função. De lá para cá a coisa vem se avolumando.

    Nomeia Juca, já vem o contra-vapor – ninaninanão. Decreta que tal coisa tem que ser feita – aqui no meu Estado Paraíso ninaninnanão. O que Sua Excia. pode fazer é me mandar mais dinheiro, respondem de pronto os feudais governadores A Bic presidencial está entupida.

    A situação está ficando tensa e o cenário está “meio dilmado“– é, acordei falando neologistes. Era a linguagem de dona Dilma. Agora também temos essa nova língua – o neologistes interpretativo palaciano-mourístico. Ou seja, Palácio e Moro se digladiam para nos mostrar quem é o legitimo proprietário da verdade verdadeira. O Presidente fica sem forças.

    Votei em Bolsonaro, fiz campanha para ele e ainda torço que o governo dele dure os anos regulamentares. Se ele continuar, quem sabe essa crise não faz nascer o poeta com quem sonhamos…

    Bolsonaro calado é um poeta e, certamente seria o maior Presidente da História. Na minha visão restrita, “do meu Degrau nas Gerais” – como dizia o comentarista esportivo paranaense Stenguel Guimarães – o melhor presidente foi o Gen. Ernesto Geisel. Aquele mineiro do topete, o Itamar também foi um baita Presidente.

    Bolsonaro poderia até fazer governo melhor que o deles. Mas não se livrou, de cara, dos funcionários públicos “aparelhados” e foi sua segunda “fraquejada” – Essa é meio humor britânico e é para quem acompanha e tem memória. Não foram as únicas. Bolsonariano sim, covidiot não!

    Mais uma semana de Covid comendo solto, povo quarentemado e governo encrencado. Essa encrenca não pode durar, o Governo Bolsonaro não pode Dilmar e a gente ficar meses em um processo de Impeachment, impixa- desinpixa e lá vem Lewandowsky. Perigoso demais, vai que ele rasga outra página da Constituição.

    Ou liberta o Bolsonaro rapidinho, ou ele que vá, patrioticamente e a “la Jânio” para casa. Só não precisa ir de porre! Basta ir, o tanto que carregou a tocha da liberdade já faz dele um Herói.

    Para encerrar lembro aos mais distraídinhos que quem amarrou o Presidente não foi o vizinho Moro, pessoa de grande história pessoal. Foi o PGR Áras – então parem de xingar o Moro.

    Libertas quae sera tamen para Bolsonaro – ou go home!

    Covidanos e covidenses, Ferrados e Ferrados (aqui me refiro aos médicos em geral)

    PÁTRIA AMADA, BRASIL

    Bom, é a minha. Não gosto de como ela está vestida, então que se desnude a Nação e vamos cobri-la com vestes de amor. Pátria não existe, é um conceito, mas existe gente morando em um determinado lugar geográfico chamado pais E nele vamos ter muita gente padecendo nos próximos meses. Seja com Bolsonaro ou com o Gen. Mourão na Presidência, ou nos compassionamos e nos solidarizamos, ou o pior poderá vir.

    Tem como melhorar, porém.

    HÁ UMA OUTRA FORMA DE COMBATER O COVID

    O mês de junho é importante para a Medicina. É um mês em que se fala na conscientização da homeopatia.

    Claro que eu sou alopata! Essa é minha escola médica. Lá aprendi que os médicos podem ser alopatas e homeopatas. Mas não podem ser covidiots.

    A homeopatia tem uma história fascinante e conta de um médico, daqueles tempos que aparecem nos filmes antigos em que os médicos chegavam a cabeceira dos doentes, faziam o diagnóstico olhando os olhos, a língua e o pulso do enfermo. Nos filmes são sempre meio caricaturados como abestados. Porém, que gente de valor e brio.

    Certamente todos morriam jovens e carcomidos por zilhões de “coisa pegada de paciente“; A única proteção que tinham era o desejo de aliviar dor e sofrimento; equipamento zero! Movidos por essa vocação que queima por dentro, essa chama luminosa que os tangia ao pé do leito do enfermo abriam suas valises e prescreviam o que de mais moderno havia: sangrias.

    Insatisfeito com isso, como por certo estavam todos os “facultativos” de então, um tal do Hahnemann, que foi o cara que pariu a Homeopatia, começou a fazer umas sacadas interessantes. Por exemplo, ele disse que doença seria uma peculiar, virtual e dinâmica perturbação da saúde.

    Ou seja, é como se dissesse que doença não existe e sim que a saúde é que se perturba. É como se dissesse, ou vai ver que disse mesmo, que devemos prestar atenção aos sintomas e não tanto às causas externas.

    Passou a pesquisar todo tipo de sustância para desenvolver medicamentos e introduziu conceitos como potencialização e sucussão de medicamentos.

    Se um vídeo do Bolsonaro dá o que falar, imaginem as coisas que falou o codificador da homeopatia. Já lá se vão duzentos anos de polêmica, de porradaria entre os médicos. E porradaria bruta, de fazer Capitão parecer moço-dama. Fica na frente de um alolista ou de um homeominios prá ver, rsss. Neologistês novamente, mas lulistas x bolsonarianos é água parada perto dessa encrenca mundial.

    Hoje a homeopatia evoluiu muito. É verdade que em termos de pesquisa pura, mesmo tendo bastante, ainda não tem o volume que a alopatia tem. Mas a homeopatia tem um estoque enorme de Medicina baseada em evidência, talvez comparável ao estoque que a alopatia tem.

    Só covidiots negam os benefícios da homeopatia. E me fascina pensar em Hahnemann, que nada sabia da moderna imunologia e já falava na força curativa do próprio indivíduo e que essa força poderia ser despertada pela aplicação do similia similibus curantus, o princípio de que forças semelhantes gerariam a cura. Nossa, o cara tinha a intuição maior do mundo! Tipo mulher, assim, sabe como elas são….

    Taí, papudo, mais uma. Os médicos caricaturados e humilhados pelos filmes holywoodianos falavam latim. Goza deles, goza – ri deles…

    Seja grosseiro com a enfermeira do SUS e bata palmas pro jogador de futebol e pro funkeiro da esquina, mas o Covid, que nem foi ainda, em breve voltará… Igual craque de futebol – fica uns dias por lá e depois volta para vestir a camisa do clube que sempre amou. O Covid ama seu couro, jacaré!

    Pois é, aí a gente, todo modernoso esquece da História da Humanidade – esse tal Hahnemann ficou famoso. Sabes why?

    No tempo dele teve uma epidemia daquelas miserenta mesmo, tipo um Covidão maldoso mesmo, mas daquele tempo. E o Hahnemann, com os remédios dele, salvou muita gente.

    Não defendo que a gente compre uma carroça e saia pela estrada para fazer sucussão de remédio e ver se descobre um que cure o vírus, como ele fez.

    O que estou dizendo é que ele ensinou que dentro de nós tem recursos para enfrentarmos o vírus, que podemos juntar aos desven vir favir e ou zavi fazvirir e ainda ao Hidroxiquinaquadra e bingo que querem nos prescrever e que todo mundo briga e tome isso e aquilo não funciona e, efetivamente melhorar nossas chances, ou sararmos mais cedo ou não nos adoecermos. Usando o que já está pronto em nós!

    Enquanto eles brigam, a gente morre. Então temos que mobilizar nossas próprias forças, as forças que a Existência, Deus a Natureza, Tupã chame como quiser nos deu. Isso está em nós basta ativarmos, como o nosso psicológico. Falar em psicológico já está fazendo as práticas que sugeri?

    Veja como você pode ser ajudado pela ciência homeopática. HÁ UMA OUTRA FORMA DE COMBATER O COVID

    Siga o link …

    https://osrepublicanos.com/ha-uma-outra-forma-de-combater-o-covid/

    África do Sul: Modul8

    Índia: Anbuta Plus

    Brasil: Farmácia Homeoterápica

    Mais informações

  • A porca torce o rabo.

    A porca torce o rabo é uma expressão antiga para descrever situação de dificuldade. Estamos em uma sequência analítica em que vamos olhando o mundo que nos cerca e o que poderemos fazer para manter o Covid 19 longe de nosso corpo. A situação social em que nos vemos se deteriora desconfortavelmente, mas isso não nos isenta das medidas higiênica e profiláticas amplamente divulgadas.

    Para melhor compreendermos o que isso significa imagine que você é aquele peixinho no mar que procura os pais. É um filme famoso, acho que chamado “ procurando Nemo”. O filme não interessa, quero só sua imaginação de você vivendo no mar.

    E aí podemos perguntar: em qual mar você vive? No mar Morto? No mar Negro? – Não, você, cidadão covidense, vive no mar Covid-19 Brasil.

    Como está o mar no qual você sobrevive? Certamente ainda confuso, ou mais confuso. O “ rolo”, a “encrenca” Bolsonaro X Moro continua impactante. O Presidente, ainda pouco operante, saiu em busca de aliados para ser fortalecer depois que as Forças Armadas atenderam ao pedido dele (que eu também estou atendendo) de deixar que o Supremo resolva tudo.

    Tão verdadeiro é isso que levou empresários para uma audiência com o Presidente (que não é ele, segundo ele que não percebe que está abrindo mão de “Presidenciar” ao fazer isso) e sim o Chefe do Terceiro Poder (Judiciário). Também buscou aliados junto a um tal Centrão, que ele sempre abominou e jurou de pé junto que com eles nunca negociaria.

    E mais ainda…

    Buscou um personagem do passado, um Ex-Deputado de antecedentes preocupantes, eis que trafegou nas águas turvas da Câmara dos Deputados por seis legislaturas e que, após ter sido enganado pelo Sr. José Dirceu (sim, esse mesmo – o amigão do Lula) denunciou todo mundo, denuncia que desaguou no mensalão.

    O Sr. José Dirceu não teria honrado a palavra dada ao ilustre Ex-deputado sobre “ transferência’ de verbas públicas. Como negociata, segundo os políticos é qualquer negócio do qual não seja partícipe, vírgula, etc. e ponto. Ressuscita o ilustre a defender o Sr. Presidente, pelo que agradeço, pois ainda não perdi totalmente minhas simpatias por ele e a desancar com o Sr. Moro.

    Pera aí, ilustre – com seus antecedentes me vejo obrigado a lhe solicitar que, por gentileza, lave a boca antes de falar sobre o ainda não julgado Sr. Moro.

    O adversário, o Sr. Moro está quieto, apanhando mais que cachorro magro, sendo tratado de tudo e tendo sua vida devassada. A esposa do referido, que tem existência profissional independente do marido, o que acontece na maioria dos lares, já foi acusada de coisas que nem se repete. Muito pouco civilizado esse ataque.

    Os acontecimentos em torno do Sr. Presidente tornam desnecessário que o Sr. Moro abra a boca. Nada necessita dizer. A semana promete avanços no sentido de desenrolar o fato que está travando o pais e piorando o cenário COVID.

    Vírus, crise econômica, crise política – necessidade demonstrada de ficar com o imunológico “bom “, para se defender do vírus, necessidade de ficar com o “ mental bom “ para se defender do resto. O mar Covid 19 Brasil é um mar muito contaminado.

    A ilusão de que se tivermos dinheiro, melhor emprego, casa melhor não vai nos ajudar. Semente de feijão, mesmo abençoada não ajuda no combate ao vírus.

    O que podemos fazer para nos salvaguardarmos? Quarentenados, precisamos exercitar algumas virtudes dentro de casa, onde estamos ancorados, ou atrás das máscaras quando saímos às ruas.

    Primeiro precisamos da virtude da paciência, – respirar fundo, contar até dez. Nas filas ficar com a pernas paralelas ao ombro, levemente afastadas, portanto. Os joelhos devem ficar levemente fletidos e respirando calma e profundamente, prestando atenção ao nosso respirar, sem se envolver com as coisas que estão acontecendo no mar em volta. Concentrado em si e em se fortalecer… respirar oxigenando sua fogueira metabólica interna…

    Diariamente, várias vezes ao dia, precisamos fazer inventário do que tem de bom em nossas vidas. Isso nos ajuda a policiar nosso humor. Ficarmos muito tempo com as pessoas que amamos traz cansaço.

    Filhos não param quietos (Graças a Deus} – mas não temos mais aquele espaço de afastamento – nós no trabalho, crianças na escola, chatice ir buscar, na hora que saem da aula, que emoção, como gosto desse piazito que vem de calças curtas marrom-claro em minha direção atravessando o gramado da SQS 0# sob o sol de Brasília.

    Vai crescer, virar homem, aproveite o grito agudo de sua filha dentro de casa, vai crescer, dar aula de inglês, virar doutora advogada, falar manso com você, lhe dar o nó e vai ainda mandar na velhinha, kkkkkk. Se achou aqui, n`e´ mesmo?

    Ao ler o parágrafo supra alguém deve ter percebido um movimento no peito. São as sementes da paixão e da compaixão se movendo. Esses tempos que vivemos são fundamentais e preparatórios para algo que virá e não sabemos o que é., mas desde já o psicoespiritual nos convoca a exercitarmos, além da paciência, as funções da paixão e compaixão.

    Paixão e compaixão, pernas levemente afastadas, joelhos levemente fletidos, respiração calma e profunda – pronto! Você já está em posição de ter compaixão pela esposa e lavar uma louça, dar um banho em um filho, passar uma vassoura. E se depois disso ela não se derramar de paixão é porque você está com bafo de cerveja….

    O mar Covid_Brasil vai desaguar em um oceano –todo mar faz isso… Nem quero mencionar agora, mas qualquer que seja o oceano, haverá grande demanda de compaixão pelo outro e de paixão pelos nossos, os de sangue. Comece a exercitar agora. O mar Brasil está cheio de, digamos lulistas e bolsonarianos – eu mesmo sou, confesso, um bolsonariano – logo desapareceremos todos, bolsonarianos e lulistas.

    Até o ano 2000 nem existiam lulistas. Havia sim, petistas, o que é outra história. Isso também passara, tal com o vírus. Mas nós não – o exercício das virtudes é importante e estou sugerindo essas aí, nesse atual momento.

    É preciso ter compaixão para com você mesmo – diminuir seu contato com o noticiário. E ao entrar em contato com ele, fazê-lo com muito critério mental, sem perder o seu centramento, sem se deixar levar pelos sopros dos objetivos de terceiros, sem se deixar manipular.

    Sim, sou simpatizante até o momento do Sr. Bolsonaro, por exemplo, Como vocês perceberam, não me deixo levar. O Sr. Moro não vira um humano porcaria de sexta da manhã até meio dia. Nem Bolsonaro, mas estou olhando… Deve ser assim, você não precisa gostar do Bolsonaro para viver bem e para ativar seu sistema imunológico. Você tem o direito de ser feliz sem importar sua visão política.

    MAS PRECISA TER CONSCIÊNCIA DO QUE OS FATOS ESTÃO PRODUZINDO EM VOCÊ!

    Não há a alternativa de deixar de ser senhor de si pelos acontecimentos. Portanto, mantenha-se apaixonado pelos seus e compassionado pelo próximo. Esse estado emocional o jogará naturalmente no próximo passo para ativação de suas defesas.

    Lyubomirsky é uma pesquisadora americana. Não me pergunte de qual Universidade. Ela fez brilhantes estudos sobre o bem-estar e pasmem:

    As pesquisas dela mostraram que SER GENTIL COM O PRÓXIMO, SER BONDOSO É UMA DAS AÇÕES HUMANAS QUE MAIS PRODUZEM BEM-ESTAR.

    Fantástica essa viagem que estamos fazendo nesses textos. A Nação está sendo atacada por várias coisas –de um lado o vírus, de outro a luta por poder e dinheiro, que afinal é o que estamos fazendo – lutando contra o vírus o contra a cleptocracia, dentro de princípios republicanos.

    E a ciência nos leva a que a melhor ferramenta para nós, cidadãos covidenses, mantermos nosso sistema imunológico e nossa saúde mental nesse instante da história pátria é sermos bondosos e gentis para com o próximo e para conosco mesmo.

    Quem diria que paciência, paixão e compaixão seriam ferramentas. Melhora o mental, melhora o imunológico como consequência. O vírus bate em uma pessoa equilibrada, estável, centrada, auto-protegida. Bate e volta, vírus do zóinho espichado, filho do djanho…

    Talvez tanto o Moro quanto Bolsonaro estejam certos e Roberto Jefferson esteja errado. Talvez o mal-amado Supremo e muita paciência sejam o caminho.

    Mas confesso, até envergonhado e a vergonha é do médico, não do cidadão, que aquela fotografia do Sr. Roberto Jefferson segurando uma espingarda me deu água na boca.

    Não. Não mesmo!

    Os netinhos estão lhe vendo – quarentena, “ veio”. Se segura nas calças, jaguara!!!!!

  • Cleptocracia e COVID-19 parte 3

    Esta a 3ª parte de uma postagem sobre a cleptocracia e o COVID-19. Para receber as próximas postagens em seu email, assine o nosso blog.

    Psico-neuro-imunológico parte dois.

    Então, prosseguindo, minha fala, me dirijo aos covidensos e as covidensas, como são conhecidos os moradores de Covid-19

    No embate entre lulistas e bolsonarianos surgiu um argumento. Diziam os bolsonarianos que ele era mais apto porque consegue dizer hidroxicloroquina, enquanto que o opositor não consegue dizer tríplex. Brasileiros tem fenomenal capacidade de ironizar e brincar com tudo. Vamos entrar na brincadeira e falar psiconeuroimunológico. Quem conseguir fica melhor na fotografia…

    Ser médico é também ser buscador. Existe um grupo de pensadores médicos que entende que esses quatro sistemas, que geram quatro especialidades médicas distintas, a saber a Psiquiatria (siamesa com a psicologia), a neurologia, a imunologia e a endocrinologia, deveriam ser uma única especialidade.

    Pessoalmente acho meio impossível que um ser humano consiga dominar todos os conhecimentos dessa única especialidade. Razão pela qual esses médicos pensadores em sua maioria acreditam na integração do trabalho dos especialistas nessas diversas áreas. O trabalho em equipe, o trabalho em grupo, que tanto treinamos nas escolas e que você deixava para um colega fazer. OU você era o Nerd que fazia?

    A neurologia, a imunologia, a endocrinologia estudam fenômenos extremamente complexos, maravilhosos, de uma integração funcional tão fantástica autônoma q eu quando a gente vai estudando dá até vontade de acreditar em Deus. Mas na verdade são mecanismos que funcionam por si.

    Uma molécula aqui ativa uma célula acolá, que responde com outra substância que leva a produção de um hormônio e o hormônio de lá então mexo com uma célula de cá e de repente um neurotransmissor é liberado e você sente prazer e daí uma célula do seu organismo libera uma outra substância que vai despertar seu sistema imune porque entrou um invasor no seu organismo. Que tenso e denso esse parágrafo, hein? E as substâncias tem nome três vezes mais comprido que hidroxicloroquina, rssss

    Dois rápidos comentários:

    Comentário hum: quando você for em um médico, olhe bem para ele. Mas não fale nada. Só pense que para se formar ele precisou aprender o nome de todas essas substâncias e de quem reage com quem para poder lhe prescrever um medicamento. E você, que nem era o Nerd que fazia os trabalhos na escola se automedicando… comprando hidroxicloroquina na Internet, seu jacaré…

    Comentário dois: percebeu que eu me intrometi no processo descrito como autônomo, automático, deixando escapar a palavra “ prazer”. Pois é, porque no psiconeuroimunológico, a única parte, digamos, parcialmente controlável, é o psico. Foi a forma que encontrei de entrar com a psiquiatria na História.

    Cidadão e cidadã covidense – você já que para escapar do Covid-19 não vai ser fácil. Imunização de rebanho, vai ser uma gripezinha, só morrem aqueles do grupo dos escolhidos, os “ véio de 72 anos” igual ao Dr. Everson. Você está lendo de tudo, troca Ministro, bota um Ministro mais feio para ver se vírus assusta e vai embora, o vírus responde que não tem medo de cara feia, rsss.

    Estou brincando com o Sr. Ministro, acompanhando outros que já brincaram com ele, mas é um médico que se entrar na sala, mesmo muito mais jovem do que eu, levanto para cumprimentá-lo em respeito – é um baita médico, sério, zero de politicagem, “tamo junto”, como diz a turma da Associação Atlética.

    A situação do covidense é complicada. Da sua pele para fora o mundo se divide entre cleptocratas e o Covid. Da pele para dentro o tal psiconeurooscambaupapelote, rss, como diziam os moradores da Campina do Siqueira na minha infância. Pelo que a gente entende o tal cleptocrata entra no bolso e rouba o salário de sustentar a família e o Covid entre pela boca, nariz e olhos para roubar a saúde a vida.

    O Presidente está perdendo no jogo do truco para a politicagem e nós estamos perdendo o jogo para o Covid. “Home de Deus”, fala algo que me ajude. Já tomei dois Rivotril SL, um Frontal XR, três Exodus e continuo com aperto no peito e as mãos suando só de ler…..

    Calma, vou falar! Primeiro lembre que eu também aprendi todas aquelas palavras longas que os médicos das outras especialidades aprenderam. Nós, psiquiatras, também sabemos falar tríplex, hidroxicloroquina e todas aquelas coisas que os outros médicos falam. Só que nós não falamos, porque palavra difícil não trás nem Fé, nem Esperança. E é isso que precisamos agora.

    Bom, de esperança você entende, doutor – afinal torce para o Paraná clube. É verdade, Terta! sou um homem esperançoso. Sou tão esperançoso que minha cor favorita é o verde-palaciano

    E de Fé – minha Fé é inabalável e consistente como o pico do Marumby, firme e alta como o pico do Paraná- se não for paranaense vai ter que dar uma olhada no livro de geografia. Serra do Mar – coisa linda de se ver. Mas não é a Serra do Mar que me dá Fé. Ela é só um cutucão de Deus na nossa alma. Minha Fé vem da pura lógica.

    Deus, seja lá o que for Deus, E Deus é Deus, NÃO encha minha paciência com isso, pois Deus que é Deus fez o Paraná ser pentacampeão paranaense e DUAS VEZES CAMPEÃO BRASILEIRO DA SÉRIE B. Tem isto feito Deus sossegou porque entendeu que já tinha ensinados covidenses de Seu Poder e de sua capacidade de produzir feitos bem feitos.

    Ah, deixa eu ver se entendi. O dr Everson está tentando dizer que os covidenses devem ficar sincrônicos com a obra divina, mas o doutor é como Santo Agostinho, que sabia, mas uando lhe perguntavam não sabia mais.

    Sim, verdade pura – e é assim que Ele nos apetrechou para lidar com o COVID… o Divino é danadinho….o Cara é cheio de truques e nós, buscadores, precisamos decifrar.

    Decifremos, pois! Na verdade, o cenário atual está complexo, como estamos vendo em nossa extensa digressão. Mas é necessário percorrer o caminho se queremos sair do imbróglio.

    Senão, vejamos. O remédio mais falado é o tal respirador. Depois falam em três produtos que, quem sabe, perhaps, tomara que possam ajudar. Fora isso, o que resta para os covidenses nesse momento em que o planeta explode. Será que a saída é fazer um foguete à la Jor-El , o pais do Superhomem e mandar o Raul para o Espaço Sideral. Para mim não é solução – escolha de Sofia- quem ponho no foguete – Raul ou Lúcio, Vica , a Neta, Pedro, o neto – Os meus não são Kriptonianos, não vão a lugar nenhum, são covidenses.

    Nada de espaço sideral – essa solução não presta.

    Todo médico é um buscador – precisa uma solução melhor… . E onde ela está?

    Estamos procurando da pele para fora – a melhor solução ainda são os cuidados de higiene, mas mesmo assim já fomos avisados que todos nos contaminares com o bichinho…

    A Existência, tal como Deus a criou é feita de dualidades. Se o problema vem de fora a dualidade exige que a solução venha de dentro.

    Everson ALberge Buchi

    Parte 4

  • Cleptocracia e Covid 19 – 2

    Esta é a 2ª parte da postagem sobre o COVID-19 e a cleptocracia. Para receber as próximas postagens no seu e-mail, assine o nosso blog!

    Falamos de cleptocracia e covid, dois inimigos da pátria. Para acabar com a cleptocracia, só sendo republicano de verdade e sugiro a leitura dos textos do Raul, que estão muito didáticos sobre essa ideia.

    Agora estamos focando no Covid e como podemos nos defender.

    Bem, analisemos o tal sistema psiconeuroimigoendocrinológico. O corpo humano tem aparelhos e sistemas para funcionar e o psiconeurotrololó faz papel regulador importantíssimo.

    São quatro partes, das quais só temos acesso a uma. O neuro, o endócrino e o imune são automáticos.

    O Covid 19 entra no organismo, como já vimos, via olhos, boca e narinas. É microscópico, fica dias no ambiente antes de “ morrer “. Vai para os pulmões, quando aspirado.

    E aí que começa a encrenca. Temos dentro de nós capacidade de defesa automática contra agressores externos. É um dos quatro que a gente tem falado. É o tal sistema imune!

    Ele pode ser um mecanismo primário, que é ativado automaticamente e é genérico. É como um batalhão de fronteira – não importa de que pais venha a agressão eles saem metendo bala. Tal como todo batalhão de fronteira conta com defesas físicas, a pele, por exemplo. Conta também com um primeiro grau de defesa, tipo minas terrestre. São substâncias que tem a capacidade de destruir muitos agressores. Por exemplo a lisozima, eu é uma enzima que está permanentemente protegendo os olhos.

    Mas agressores são agressores e a função deles é agredir e muitos conseguem passar, por vezes facilmente pelas defesas iniciais. Tal é o caso de Covid-19, que avança até os pulmões.

    Lá ele atinge uma substância chamada hemoglobina, que é uma substância que transporta oxigênio. Veja só que “maledeto” esse cara! Atinge o pais atacando os caminhoneiros –

    Tá- Tá tá –tenha paciência com o Girafales aqui – só estou tentando criar uma imagem didática. Sabe esses bi-trains? Então, essa hemoglobina é meio assim. É como se o vírus chegasse na carreta, a hemoglobina e dividisse em duas partes. A carroceria e o cavalo. Ele pega a carroceria para ele e deixa o “ cavalo “, chamado heme, solto e descontrolado.

    Ah, tirou o dedo do teclado. Entendo, meus exemplos pedem que você escreva – que bom que está tendo paciência e não meteu o dedo, rsss!…, Mas é que o ”cavalo descontrolado” se assemelha com o radical que fica solto np organismo. Imagine um cavalo desses de Scania solto na Praça Principal da sua cidade. Deixa todo mundo louco – Pois não é que acontece isso com nosso sistema de defesas?

    O bicho é feio e o sistema de defesas se descontrola de uma tal maneira, as forças armadas ficam tão descontroladas que além de atacar o inimigo passam e meter bala em qualquer coisa. Tá manjando a situação. O povo por ali, o Exército metendo bala em tudo. Morre mais de fogo amigo de que do ataque do inimigo. É meio assim que fica o pulmão da gente, com o descontrole.

    Um descrição simplória de um mecanismo extremamente complexo. Metade dos cientistas do mundo estão debruçados sobre isso.

    O que temos até agora, para não nos perdemos – primeiro – manter as medidas de higiene.

    Segundo – precisamos que o Exército não se perca e se mantenha íntegro para defesa. Se o Exército falha, os remédios até agora indicados são descritos como não carentes de eficiência, eficácia e efetividade. Se o Exército falha, respirador, Os Governadores de alguns Estados brasileiros já estão avisando que não vai ter respirador para todos.

    Terceiro – isto posto só nos reta confiar no sistema imune, sobre o qual não temos atuação. Ah, sim, não nos esqueçamos da Fé. Ele nos foi entregue pelo Criador…

    Ele pode ser inato, ou seja, o primeiro Exército, o qual, para Manduca é suficiente para segurar o vírus, mas que para Pinduca não basta.

    A má notícia é que você não tem como saber se é Pinduca ou Manduca….Não refresca nada saber “ que a maioria” é manduca, vai sobreviver. Você, pessoalmente, você indivíduo, você cidadão covidense, não sabe o que pode acontecer.

    Mas agora já sabe o que fazer – melhorar suas defesas. Se há um sistema interligado, melhorando o neurológico, melhora o imunológico. Melhorando o endocrinológico, melhora o imunológico – Cuida da Diabetes, desgranhento de uma figa, lava as mãos, jacu do dianho, diminui o sal da polenta, miserenta!

    Viu como curitibano xinga quando fica bravo – agora imagine o salão do palácio do planalto, o Moro curitibano e o Bolsonaro carioca se xingando – Oooops, pera aí, não me mete nisso, não – foi o Bolsonaro que contou que tinha palavrão. E sua imaginação tem Poder – imagine, kkkkk.

    E o psico? Lembra da palavra PRAZER. Pois é, precisamos ter prazer em viver. É a mais potente ferramenta preventiva disponível, atrás apenas das medidas de higiene.

    Bom, Gladys, a culpa disso tudo é sua. Você foi a pessoa que mais me pediu para escrever. Estou fazendo, com psiquiátrico cuidado. Por isso o texto está tão longo. Seria o tema de toda a semana, pedaço por pedaço. Mas enquanto falamos, eles morrem. Não podemos perder tempo.

    O psiquiatra precisa ensinar a melhorar o estado de ânimo, para ajudar aos demais médicos na batalha. Acreditam, tenho estudado e há soluções de aplicação simples e outras nem tanto.

    A Existência coloca tudo ao nosso alcance, precisamos apenas entender sua Obra e atuar com ela.

    Everson Alberge Buchi

    Parte 3

  • Cleptocracia e Covid 19

    Essa é a parte 1 de 5. Virão ao longo da semana, mais textos na sequência desse.

    Assine nosso feeds para receber essas postagens por email.

    Psico-neuro-imuno-endocrinológico no mundo do Covid-19 – perdão,

    NO SEU MUNDO

    Onde você pensa que está morando?

    Bom, você eu não sei, mas eu estou morando em um Planet chamado COVID-19.

    Esse planeta foi amalgamado por um vírus mutante chinês e pela Imprensa Mundial. Caso, eventualmente, você more em um pais chamado Brasil, o vírus, já em sua forma brasileira, que é diferente de outras que andam pelo mundo (atenção – isso biologicamente faz diferença, conforme veremos) o buraco é mais embaixo, como dizem nossos conterrâneos lá do Pedra Noventa.

    O amalgama passa por um componente interessante, visto que o Brasil continua um pais dominado pela cleptocracia.

    E agora, vou primeiro para a doença do vírus, ou vou para a situação nacional?

    Vejam só, eu disse que o Presidente havia cometido um erro com o Ex-Ministro Moro. Viralizou a imagem do Moro jogando truco com o Bolsonaro. Pois é, o Bolsonaro, cheio de manilhas e pé de jogo caiu na jogada de contrapé do Moro, que esperou de gato e três.

    Para quem não conhece o jogo, Moro deu um nó no Bolsonaro. Seja simplesmente porque o Bolsonaro vinha garganteando em cima do Moro, o que seria uma resposta absurdo do Moro, portanto, incrível, não acreditável, ou porque ele entendeu que o Bolsonaro já tinha feito sua parte e carregado a tocha republicana até onde tinha competência para tal.

    Também escrevi que essa manobra do Presidente, aliada ao seu discurso dando um pito em seus apoiadores dois dias depois, deixaria seu governo amarrado. Parece que eu estava certo – o Bolsonaro não nomeia mais ninguém, O Ministro da Economia, o tal Posto Ipiranga só tem uma bala na agulha e só sabe falar nisso, que é o maravilhoso projeto de congelar salários de servidores público.

    É gravíssimo, no atual momento, o ministro só ter uma bala em seu revolver. Collor que o conte….

    Os seguidores mais apaixonados do Sr. Presidente, aqueles de certa forma confundem Bolsonaro com Governo, continuam clamando por Intervenção. O instinto avisa que Bolsonaro até joga truco, mas não parece ser um bom jogador. Conhece o jogo, viu grandes campeões jogar, mas não pegou a manha do carteado.

    Está, no momento, cheio de 4 e 5 na mão, cartas vazias, que o obrigam a grandes manifestações populares de apoio – em Cristalina. Uma doce cidade goiana, um povo gentil e fraterno, pode ir morar lá. É pacato, fica perto de um grande Centro – Brasília e de uma cidade histórica – Luziânia, que é citada até em Grandes Sertões.

    Realisticamente falando, a intervenção já foi feita pelo Supremo, conforme se supunha, visto que o conflito Bolso X Moro amarraria o pais, como de fato amarrou. O Supremo, com surpreendente bom senso antecipou o fim do imbróglio diminuindo o tempo do depoimento do Ex- em cinco dias e não mais sessenta. O depoimento foi ontem, não tenho a menor ideia do que foi dito e apresentado.

    Segundo Sua Excelência, o Sr. Presidente, o máximo que lá se encontrará serão alguns palavrões. Não é o que espero que aconteça no Salão Presidencial, mas abençoe Deus que seja só isso mesmo. A Nação não aguenta outro tempo de agonia à la Dilma.

    Se tiver algo mais fica complicado. Porque intervenção já tem. É do tipo branca, mas é. Então, para atender aos Bolsominios, precisaria uma “desintervenção” das forças armadas O Exército está construindo estradas e furando poços no Nordeste, segundo se noticia. Nobilíssima missão em tempos de paz, mas que deveria pertencer aos civis.

    Claro, a corrupção, de fato sim, compreensível que vá o Exército. Ah, mas a Aeronáutica então – virou empresa de transporte de senadores, deputados e ministros- acho que ainda não deu tempo de desvirar e voltar a ser instituição militar. A reserva das Forças Armadas está sendo convidada a trabalhar no INSS.

    Forças Armadas

    Das forças armadas parece que sobrou a Marinha POR FAVOR, DEMONSTREM QUE ESTOU TOTALMENTE ERRADO EM AVALIAR ASSIM DAS NOSSAS FORÇAS ARMADAS. Me sinto totalmente antipatriótico por enxergar a realidade tão assim.

    O pito do Presidente foi de lascar. Eu mesmo me senti esvaziar. Senti mal ao ouvi-lo. Durante a semana voltou a se manifestar de forma desnecessária. Qualquer carta que caia na mesa está levantando para seis. Morde qualquer isca e torna sua defesa difícil para nós, que não somos robôs, somos pensantes. O projeto de Brasil precisa continuar. Alguém no esverdeado Palácio precisa fazer o “ coaching Presidencial”.

    O Capitão precisa de mais habilidade para jogar com as cartas que tem. Não virão cartas melhores para ele. O truco é o único jogo que permite vitória sem cartas. Mas precisa saber jogar, não é mesmo, Senhores Generais?

    Everons Alberge Buchi

    Parte 2

  • Muerto Canyon ou o pincel na mão.

    Segunda passada, pela manhã, o Sr. Presidente da República fez enfático pronunciamento sobre os que se manifestam como insatisfeitos com parte do Supremo e com o Congresso.

    Sou um deles, um dos tais insatisfeitos que acham que o Sr. Presidente é urubuzado por forças não tão ocultas e de interesses dispares da população.

    Quando Sua Excelência falou aquilo fiquei com o pincel na mão, sem escada. O que faço com todas as manifestações de apoio a ele?

    Fiquei no mato sem cachorro.

    Não estou entendendo nada, Sr. Presidente. Me perdoe pela minha incompetência em compreender essas coisas.

    Continuo também achando que o Sr. errou com o Ministro. O Ministro tirou o Sr. para dançar. Teria que ser ao contrário. Nada explica ou justifica a inversão… O Sr. não explicou pública e convincentemente a razão de não querer dançar. Apenas vociferou com sua voz potente de Presidente; “ aqui quem manda sou EU “ – Olha o eleitor curitibano confuso: EU, quem ­-  Vossa Excelência ou EU – povo?

    Presidente, estou perdidaço desde domingo. Estávamos indo tão bem, até mesmo com o Covid-19 para atrapalhar

    E agora, como conserta isso?

    Imaginar que chamar nome feio para o honorável Sr. Sérgio Moro vá resolver algo é baita infantilidade. Protestar na rua, boa ferramenta, o Sr. mesmo se encarregou de desacreditar…

    E para piorar tudo, O Sr Aras, PGR – de forma correta, pediu um processo no Supremo, para saber quem está certo – o Sr. ou o meu vizinho Moro, querido vizinho. Ele é vizinho querido e o Sr. é o amado Presidente. Graças a Deus quem vai escolher o certo entre os dois não serei eu, será o Supremo. O meu vizinho é danadinho, acostumado a vencer, sempre bem documentado. Temo pelo Sr, no Supremo, mas foi o Sr. que me desautorizou….

    Pelo que entendo o Sr. está de pés e mãos amarradas nesse inquérito do Supremo. E amarrou o pais junto, naturalmente.

    Por favor, me diga que estou errado e que podemos voltar a luta contra o Covid-19 e também contra as outras pragas já amplamente identificadas, sob seu comando, imediatamente.

    Não, Sr. Presidente, não me convenci com as postagens da semana no twitter a seu favor. O Sr. também concorda que xingar o Sr. Moro de traidor só depõe contra o Sr. Com a boa intenção de lhe defender o chamam de incompetente, incapaz de vislumbrar um traidor e pior, espraiam isso sobre todo nosso lindamente esverdeado Palácio do Planalto.

    Socorro, Presidente, estou perdido.

    Só consigo pensar no meu avô, que quando a gente se atrapalhava, dizia: Se aprume ou tome rumo.

    Everson Alberge Buchi

    Os Republicanos

%d blogueiros gostam disto: